Fazer // Empreendedorismo

Uma saída válida para quem quiser arriscar e seguir o seu sonho e ambição de desenvolver e criar os seus próprios projectos. Mais uma vez, não tens que ter uma ideia logo à partida para manteres esta hipótese em cima da mesa. Mantém a atitude empreendedora, a ideia, a equipa, a inovação, fazem parte do processo.

 

 

Anúncios

Design Thinking, por Tim Brown

Tim Brown, CEO da IDEO, fala-nos um pouco do que é Design Thinking, e de como este influencia a vida e a forma de estar de um empreendedor. Aqui ficam dois momentos do seu contributo para a Harvard Business Review:

A Design Thinker’s Personality Profile

Contrary to popular opinion, you don’t need weird shoes or a black turtleneck to be a design thinker. Nor are design thinkers necessarily created only by design schools, even though most professionals have had some kind of design training. My experience is that many people outside professional design have a natural aptitude for design thinking, which the right development and experiences can unlock. Here, as a starting point, are some of the characteristics to look for in design thinkers:

Empathy.
They can imagine the world from multiple perspectives—those of colleagues, clients, end users, and customers (current and prospective). By taking a “people first” approach, design thinkers can imagine solutions that are inherently desirable and meet explicit or latent needs. Great design thinkers observe the world in minute detail. They notice things that others do not and use their insights to inspire innovation.

Integrative thinking.
They not only rely on analytical processes (those that produce either/ or choices) but also exhibit the ability to see all of the salient—and sometimes contradictory— aspects of a confounding problem and create novel solutions that go beyond and dramatically improve on existing alternatives. (See Roger Martin’s The Opposable Mind: How Successful Leaders Win Through Integrative Thinking.)

Optimism.
They assume that no matter how challenging the constraints of a given problem, at least one potential solution is better than the existing alternatives.

Experimentalism.
Significant innovations don’t come from incremental tweaks. Design thinkers pose questions and explore constraints in creative ways that proceed in entirely new directions.

Collaboration.
The increasing complexity of products, services, and experiences has replaced the myth of the lone creative genius with the reality of the enthusiastic interdisciplinary collaborator. The best design thinkers don’t simply work alongside other disciplines; many of them have significant experience in more than one. At IDEO we employ people who are engineers and marketers, anthropologists and industrial designers, architects and psychologists.

How to Make Design Thinking Part of the Innovation Drill

Begin at the beginning.
Involve design thinkers at the very start of the innovation process, before any direction has been set. Design thinking will help you explore more ideas more quickly than you could otherwise.

Take a human-centered approach.
Along with business and technology considerations, innovation should factor in human behavior, needs, and preferences. Human-centered design thinking—especially when it includes research based on direct observation will capture unexpected insights and produce innovation that more precisely reflects what consumers want.

Try early and often.
Create an expectation of rapid experimentation and prototyping. Encourage teams to create a prototype in the first week of a project. Measure progress with a metric such as average time to first prototype or number of consumers exposed to prototypes during the life of a program.

Seek outside help.
Expand the innovation ecosystem by looking for opportunities to cocreate with customers and consumers. Exploit Web 2.0 networks to enlarge the effective scale of your innovation team.

Blend big and small projects.
Manage a portfolio of innovation that stretches from shorter-term incremental ideas to longer-term revolutionary ones. Expect business units to drive and fund incremental innovation, but be willing to initiate revolutionary innovation from the top.

Budget to the pace of innovation.
Design thinking happens quickly, yet the route to market can be unpredictable. Don’t constrain the pace at which you can innovate by relying on cumbersome budgeting cycles. Be prepared to rethink your funding approach as projects proceed and teams learn more about opportunities.

Find talent any way you can.
Look to hire from interdisciplinary programs like the new Institute of Design at Stanford and progressive business schools like Rotman, in Toronto. People with more-conventional design backgrounds can push solutions far beyond your expectations. You may even be able to train nondesigners with the right attributes to excel in design-thinking roles.

Design for the cycle.
In many businesses people move every 12 to 18 months. But design projects may take longer than that to get from day one through implementation. Plan assignments so that design thinkers go from inspiration to ideation to implementation. Experiencing the full cycle builds better judgment and creates great long-term benefits for the organization.

Perfil do empreendedor

1. São visionários – têm a visão de como será o futuro para o negócio e da sua vida, e o mais importante é que têm habilidade de implementar os seus sonhos.

2. Sabem tomar decisões – não se sentem inseguros, sabem tomar as decisões correctas na hora certa, principalmente nos momentos de adversidade, constituindo um factor chave para o seu sucesso. E mais, além de tomar decisões, implementam as suas acções rapidamente.

3. São indivíduos que fazem a diferença – os empreendedores transformam algo de difícil definição, uma ideia abstracta, em algo concreto, que funciona, transformando o que é possível em realidade. Sabem agregar valor aos serviços e produtos que colocam no mercado.

4. Sabem explorar ao máximo as oportunidades – para a maioria das pessoas as boas ideias são daqueles que as vêem primeiro, por sorte ou acaso. Em contrapartida, para os visionários (empreendedores), as boas ideias são geradas a partir de coisas que todos conseguem ver, mas que não identificam nada de prático para transformá-las em oportunidade, através de dados e informação. O empreendedor é um autêntico identificador de oportunidades, é curioso, criativo, e atento a informações, pois sabe que as suas alternativas melhoram quando o seu conhecimento aumenta, através da transformação de ideias em conhecimento.

5. São determinados e dinâmicos – eles implementam as suas acções com total comprometimento. Atropelam as adversidades, ultrapassam obstáculos, com uma vontade ímpar de “fazer acontecer”. Cultivam um inconformismo· com a rotina.

6. São dedicados – dedicam-se 24 horas por dia, 7 dias por semana, ao negócio. São trabalhadores exemplares, encontram energia para continuar, mesmo quando encontram problemas pela frente.

7. São optimistas e apaixonados pelo que fazem – adoram o seu trabalho, sendo esse amor, o principal combustível que os mantém cada vez mais animados e auto determinados, tornando-se os melhores vendedores dos seus produtos e serviços, pois sabem, como ninguém, como fazê-lo.

8. São independentes e constroem o seu próprio destino – normalmente querem estar à frente das mudanças e ser donos do próprio destino. Querem criar algo de novo e determinar os seus próprios passos, abrir os seus próprios caminhos.

9. São líderes e formadores de equipas – têm um senso de liderança incomum. São respeitados e adorados pelos seus pares, pois sabem valorizá-los, estimulá-los e recompensá-los, formando uma equipa em torno de si.

10. São bem relacionados (networking) – sabem construir uma rede de contactos que os auxiliam nos ambientes interno e externo da empresa, junto de clientes, fornecedores e entidades de classe.

11. São organizados – sabem obter e alocar os recursos materiais, humanos, tecnológicos, e financeiros, de forma racional, procurando o melhor desempenho para o negócio.

12. Planeiam, Planeiam, Planeiam – os empreendedores de sucesso planeiam cada passo, desde o primeiro rascunho do plano de negócios, até à apresentação do plano a superiores ou investidores, sempre com base numa forte visão de negócio que possuem.

13. Possuem conhecimento – têm avidez pelo saber e aprendem continuamente, pois sabem que quanto maior o domínio sobre um ramo de negócio, maior é a sua oportunidade de obter êxito, estão predispostos à aprendizagem contínua.

14. Assumem riscos calculados – é a característica mais conhecida dos empreendedores. O verdadeiro empreendedor é aquele que assume riscos calculados e sabe gerir o risco, avaliando as oportunidades de sucesso. Assumir riscos está directamente relacionado com desafios, que para o empreendedor, quanto maior é o desafio, mais estimulante será a jornada empreendedora.

15. Criam valor para a sociedade – os empreendedores utilizam o seu capital intelectual para criar valor para a sociedade, através da criação de emprego, dinamizando a economia e inovando, sempre utilizando a criatividade em busca de soluções para melhorar a vida das pessoas.

*in, Manual do Empreendedor do Instituto Politécnico de Leiria

Empreendedorismo

Alguns homens vêem as coisas como são e perguntam: Porquê?
Eu sonho com as coisas que nunca foram e pergunto: Porque não?

Bernard Shaw

Para além das abordagens de mercado no sentido de melhorar o nosso perfil e superar a concorrência na procura de emprego, o Faz+ propõe ainda outra saída para o seu público: o empreendedorismo.

Muito se tem falado de empreendedorismo nos últimos tempos em Portugal, uma vez que tem crescido a consciência da população para esta realidade e muito se tem feito por parte de universidades e clubes de empreendedores para divulgar o que de melhor se faz nesta área no nosso país.

Empreendedorismo não é um emprego. Não se arranjam empregos na área do empreendedorismo. Um empreendedor é alguém que desenvolve projectos inovadores e disruptivos, que vão ao encontro de uma necessidade de mercado, que resolve um problema identificado por si ou não.

À primeira vista, pode parecer pouco adequado dizer a um desempregado para trabalhar num projecto que numa primeira fase de desenvolvimento e criação não terá retorno financeiro. No entanto, há várias formas de trabalhar neste tipo de projectos, e start-ups–nome dado às empresas recém criadas–raramente são projectos fulltime. Como já foi dito anteriormente, o que o Faz+ pretende é que se olhe para a situação do desemprego com outros olhos e, por isso mesmo, esta é mais uma alternativa para quem a quiser apanhar e tiver a atitude e disposição certas para tal. É preciso inovar e ter ideias, e quem já quis Fazer+ para chegar até aqui, pode dar mais um passo e arriscar, empreendedorismo é isso mesmo. Se as nossas ideias forem inovadoras, sólidas, e as soubermos defender com a paixão que merecem, alguém vai acreditar tanto nelas como nós. É assim que se formam equipas, que se conseguem mentores e investidores. É assim que se formam empresas.

A Análise SWOT Pessoal serviu para perceber o que queremos e temos para dar. Serve também para ajudar a perceber o que gostamos mesmo de fazer ou qual o nosso projecto de sonho. É exactamente nisso que temos que apostar.

Quantas vezes não pensámos que gostamos muito de fazer algo, “mas isto ficava mesmo bem era ‘assim’…”? Esses toques e retoques, essas ideias inovadoras, são normalmente o passo que falta dar para lançar um projecto de sucesso. Steve Jobs, por exemplo, não inventou um computador, mas pensou que talvez com um rato e uma interface gráfica, o utilizador ficasse mais satisfeito. Mark Zuckerberg não inventou as redes sociais, mas aperfeiçoou o que já existia nas outras e condensou-o na sua, criando o Facebook.

Inovação é isto mesmo. “Design thinking”.

Vídeo // O que é o Faz+?

Eis mais um vídeo, desta vez num formato mais informativo, que nos tira as dúvidas todas sobre a plataforma e os seus objectivos.

Mesmo a tempo de se selarem intenções, uma vez que, em breve, entraremos na nossa fase “Aprender”, prontos para trabalhar. Vêm aí muitas coisas fantásticas, pessoas extraordinárias, novidades espectaculares.

Juntas-te a nós? 🙂